Pages

Ads 468x60px

sexta-feira, setembro 27

As redes sociais e os registros históricos

Estive assistindo uma discussão sobre ativismo nas redes sociais no Ubitec 2013. Na ocasião Raquel Recuero e Henrique Antoun falaram sobre os protestos de Junho no Brasil, fazendo uma análise de dados coletados na rede e relações históricas.

Ainda estou processando tudo que foi comentado. Refletindo sobre as discussões e os dados da violência "real" que a Raquel Recuero trouxe. Percebi que são dados oficiais, e em pesquisa não poderia ser diferente. Então pensei nos casos de abusos não registrados brasil a fora, e aqui em Porto Alegre teve muitos. E também sobre o paradoxo entre "real/digital" e como a história desses protestos serão escritas ou "lidas" no futuro.

Como ficam as verdades não ditas pelo medo da repressão, a violência silenciosa que ainda dá sinais em algumas cidades? E quantos desistiram da "luta" (dita desorganizada e despolitizada) por conta dessa violência? Esse é um capítulo que não vai entrar para a história se não houver um trabalho investigativo/jornalístico que o registre.

Acredito muito no poder revolucionário das redes digitais, mas também acredito que só ela não basta, e vejo pouco movimento neste sentido. No sentido de relacionar fatos/pessoas e registros online. Só pensando... E tagarelando, afinal é pra isso que serve isso tudo, sempre foi pra isso!

Porto Alegre / 2013 - Foto: Ramiro Furquim/ Sul Vinte Um

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Gostei do seu trabalho, meu nome é iderlandio, sou estudande de Pedagogia e moro no estado de minas gerais, pertinho de belo horizonte... Eu gosto muito de ler este tipo de artigo, parabéns, continue postando....
    Depois você visita meu blog... Iderlandioandrade.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 

Sample text

Sample Text

.

Sample Text